Como se converter ao islamismo

O Islamismo é considerado pelos muçulmanos como uma religião muito simples e direta. Não existe uma hierarquia religiosa e a prática do Islamismo é composta por cinco pilares, que se prevê que venham a ser seguido por todos os muçulmanos. O primeiro pilar, shahada, é exigido para entrar no Islamismo, enquanto os outros quatro pilares são necessários para a prática do Islamismo. O árabe é a língua da revelação do Alcorão, a linguagem tem sido estreitamente vinculada ao Islã. Portanto, é importante se familiarizar com algumas palavras e frases comuns em árabe que irei usar para expressar muitos dos termos religiosos.

  • Shahada, ou testemunho de fé. O Shahada é o primeiro pilar do Islamismo. É a expressão de fé, que afirma: "Não existe nenhum Deus exceto Deus, e Maomé é o mensageiro de Deus", ou em árabe, "la ilaha illa'llah wa Muhammad rasulu'llah." O Shahada pode ser dito, ou em Inglês, ou em árabe ou qualquer que seja sua língua nativa. No entanto, muitos muçulmanos preferem usar árabe, já que árabe é a língua do Alcorão. Para que alguém entre no Islã, ele deve expressar a sua fé, dizendo a shahada, como está escrito acima, com sinceridade.
  • Salat, ou oração. O segundo pilar do Islamismo é a Salat. Uma vez que alguém entra no Islamismo, eles devem aprender a Salat, que é realizado cinco vezes por dia, pouco antes do amanhecer, ao meio-dia, no meio da tarde, pouco depois do sol se pôr e, à noite. Versos do Corão são recitados em árabe durante as orações e cada uma das cinco orações varia um pouco. A forma mais fácil de aprender as orações é ir a uma mesquita local e pedir alguém para te mostrar as orações. As orações às vezes são baseadas no ciclo do sol e a lua e variam diariamente. Os horários de oração de cada dia são publicados na Internet ou impressos em revistas islâmicas locais. Orações podem ser realizadas em qualquer local, tal como em casa ou no local de trabalho. No entanto, elas devem ser feitas em uma área que está limpa e longe de perturbações. Uma oração comunitária é realizada em mesquitas todas as sextas-feiras durante a oração do meio-dia.
  • Zakat, ou ato de caridade. Espera-se que muçulmano dê 2,5% de sua renda a uma mesquita ou caridade local. No entanto, não existe um valor definido que deve ser dado e não se espera que os muçulmanos doem mais do que eles podem arcar confortavelmente. Portanto, os muçulmanos devem doar uma quantia que está dentro das suas possibilidades.
  • Ramadã, o mês do jejum. Durante o mês do Ramadã, os muçulmanos são obrigados a jejuar do nascer do sol ao entardecer. Durante esse tempo, eles não devem comer nem beber nada, evitar se envolver em atividade sexual, manter sua mente limpa de pensamentos impuros e tratar um ao outro com compaixão e respeito. Uma das razões para o jejum é ajudar a desenvolver a auto-disciplina. O calendário islâmico é baseado no ciclo lunar, e o mês do Ramadan vai variar a cada ano. O fim do Ramadã é uma festa de três a quatro dias chamada Eid al-Fitr. Esta festa é um dos dois maiores feriados islâmicos.
  • Hajj, ou peregrinação. O Hajj é uma peregrinação à cidade de Meca na Arábia Saudita. A cidade de Meca desempenhou um importante papel no nascimento e expansão do Islã e é muito venerada pelos muçulmanos. A peregrinação é realizada uma vez por ano e dura cerca de uma semana. Novamente, os meses variam sobre o calendário islâmico e a época do Hajj varia em cada ano. Uma festa de três a quatro dias chamada Eid al-Adha acontece no final do Hajj. Esta festa é a segunda das duas maiores comemorações islâmicas. Mesmo que o Hajj seja incluído como um dos pilares do Islamismo, é muito caro e só precisa de ser feito uma vez na vida de um muçulmano e só se alguém puder pagar por isso. Se o Hajj é um problema financeiro, os muçulmanos estão isentos de fazê-lo. Por causa dos gastos, muitos muçulmanos são incapazes de fazer o Hajj e os que conseguem, são mantidos em alta estima pela comunidade muçulmana.


Há muitas opiniões diferentes de líderes religiosos islâmicos, como o que constitui exatamente a conversão ao Islamismo. Alguns acreditam que o ditado shahada é o suficiente, enquanto outros acreditam que todos os pilares devem ser seguidos. Dentre os próprios muçulmanos, também há muitas opiniões diferentes. Por exemplo, muitos muçulmanos estudam árabe clássico, a fim de compreender melhor o Alcorão. Muçulmanos que podem compreender e recitar o Alcorão em língua árabe são mantidos em elevada estima, assim como os muçulmanos que realizam a Hajj.

No entanto, aprender árabe não é uma exigência para praticar o Islamismo. Um grande número de muçulmanos que não fala o árabe como língua nativa e, como resultado, são incapazes de ler e compreender o Alcorão. A Indonésia é um bom exemplo disto, o país tem a maior população muçulmana do mundo, mas os muçulmanos falam uma língua diferente do árabe. No entanto, acredita-se que ouvir o Alcorão recitado em árabe - mesmo que não seja entendido - vai mudar o coração dos ouvintes e levá-los a se converter ou fortalecer sua fé. Independentemente da diferença de opiniões, a maioria dos muçulmanos é muito aberto a discutir a sua religião e são geralmente dispostos a discutir estes assuntos com qualquer pessoa interessada. Ir a uma mesquita local é a melhor maneira de aprender mais sobre o Islamismo.