Como escrever um diálogo

Dos roteiros de teatro aos roteiros de cinema aos romances e histórias curtas, o diálogo desempenha um papel importante no desenvolvimento tanto história quanto do personagem. Assim como algumas pessoas têm facilidade em criar personagens ou estruturar uma trama, outras têm um "ouvido" natural para o diálogo. Por outro lado, assim como a criação e desenvolvimento do personagem são difíceis para alguns escritores, alguns escritores provavelmente vão sempre ter que colocar um pouco de esforço extra para escrever o diálogo que "parece certo." Isto não quer dizer que uma pessoa não pode ter um melhor controle sobre o diálogo escrito. Essas são definitivamente algumas coisas que qualquer escritor pode fazer para escrever um diálogo de maneira bastante satisfatória.

  • Considere o seu personagem. Muitas coisas afetam o modo como as pessoas falam: de onde eles estão, nível de escolaridade, nível de auto-confiança, origem étnica ou nacionalidade do pano de fundo, o comando da linguagem. A lista é muito longa. À medida que você cria seus personagens para o diálogo, considere o que você sabe sobre eles e, em seguida, examine o modo como estes fatores irão afetar a forma como eles falam uns com os outros. "Voz" é um conceito muito importante no diálogo escrito. Basicamente, cada personagem deve ter a sua própria "voz" - ou seja, ele não deveria soar exatamente como o cara ao lado (a menos que você esteja escrevendo um diálogo estilizado onde esse tipo de mimetismo é a intenção). E a maneira como você mantém as vozes únicas é o caminho para ter certeza de que os personagens falam de acordo com os muitos aspectos diferentes das suas origens.
  • Mantenha seus ouvidos abertos. Então como fazer um personagem para falar "de acordo com o seu passado?" Bem, novamente, a menos que você esteja usando uma forma de diálogo estilizada onde as pessoas não são destinadas a falar como elas falam na vida real, você pode descobrir como as personagens falam ouvindo os seus homólogos da vida real. Ouvir, assim como a observação, é uma habilidade chave para os escritores. Talvez em nenhum lugar seja mais importante colocar essa habilidade do que quando se escreve o diálogo. Você vai notar muitas coisas sobre como as pessoas falam. Seu emprego, cultura, formação acadêmica - todas estas coisas podem ser refletidas no seu discurso. Mesmo platéia vai afetar a forma como as pessoas falam - um homem vai falar com seu amigo de um jeito e sua filha de outro. Ouça a pessoas que lembram as personagens e veja como eles dizem as coisas e, também importante, o que eles dizem. Uma senhora da igreja, por exemplo, jamais poderia usar palavrão.

    Também ouça características que podem ser quase universalmente aplicadas. Por exemplo, as pessoas na conversação diária geralmente falam em rajadas relativamente curtas, não grandes parágrafos ou frases enormes. Eles falam em fragmentos de frase usando contrações (Nota: Uma maneira certa de escrever um diálogo empolado é não utilizar as contrações). Pessoas balbuciam "Ahns" ou "Uhm" e fazem pausas. Eles usam gírias e expressões idiomáticas. Ouça bem e tente recriar o que você ouve, levando em consideração os "traços específicos” dos seus próprios personagens. Mais fácil dizer do que fazer, eu sei!
  • Certifique-se que o diálogo tenha um propósito. Uma maneira de verificar se o seu diálogo é bom é garantir que o seu diálogo tem uma finalidade. Dialogo desnecessário é, por definição, ruim. Em geral, cada elemento de uma história deve ter uma finalidade. O diálogo não é exceção. Se você está escrevendo um diálogo que não a) revela o personagem b) move a história adiante c) aborda o tema ou d) tem algum tipo de efeito artístico como sendo poético ou o que reflete a cadência da história, ou seja lá o que poderia ser, então deixe o diálogo e fora. A auto-censura é uma habilidade importante para qualquer escritor de diálogo.
  • Use a regra do dedo indicador. Eu realmente não sei onde eu ouvi isto, mas alguém uma vez sugeriu que um bloco de diálogo nunca deve ser superior à média do dedo indicador. Acho que este é um bom guia. Se você estiver escrevendo um livro ou um roteiro e você tem uma pessoa falando - sem interrupção - por uma seção que é mais longa do que o seu dedo indicador, encontre uma maneira de dividir isso. Isso pode significar colocar a fala de outro personagem, ou uma direção de cena ou uma frase de sentido descritivo. Seja o que for, tente fazê-lo de uma forma natural que acrescenta à cena; pausas artificiais podem ser prejudiciais para a qualidade de uma passagem. Eu sei, novamente, mais fácil de dizer do que fazer.

    Evidentemente, isso não quer dizer que discursos longos devem ser tirados de seu trabalho. Muitas das maiores obras de teatro contam com longos monólogos e solilóquios. Dramas da TV muitas vezes têm grandes momentos em que os advogados dão argumentos que duram um bom pedaço de tempo. Mas estas coisas são para ser usadas com moderação. O bom diálogo geralmente se desloca vivamente. E quando vários personagens aparecem na página ou na tela, geralmente eles não devem ser deixados em pé, enquanto outro personagem fica falando e falando. Pense em como você se sente quando alguém domina uma conversa na vida real. Você está apenas esperando que eles se calem. Não nos faça esperar o seu personagem se calar!
  • Se você escolher uma forma estilizada, vá em frente e fique com ela. Muitos escritores de Shakespeare a Hemingway a Mamet têm personagens que intencionalmente não falam da forma que uma pessoa normal iria falar. Porque é que eles fazem isso? Cada autor tem suas próprias razões: para tornar as coisas mais bonitas, mais poéticas, mais sucintas, para fazer as palavras enfatizarem que está acontecendo na história. Quem sabe o que pode ser. Se você quiser escrever um diálogo estilizado ou tenham pessoas falam em pares, frases repetitivas ou mesmo palavras sem significado, vá em frente. Mas cuidado, porque se não foi bem feito, isso pode ferir o impacto geral da sua história que certamente terá um diálogo "regular". O meu conselho é, realmente ir em frente, não faça "pela metade". E seja coerente em toda a história: Se você começar com um homem falando em rima, e, ele pára de repente, sem explicação, a audiência pode ficar confusa. E deixe um segundo par de olhos (ou ouvidos) dar à peça um parecer sobre a forma como o diálogo "funciona". (Veja abaixo mais informações sobre isso...)
  • Evite escrever foneticamente. Tudo que eu já ouvi falar sobre ler e escrever diálogo - especialmente em roteiros onde ele vai ser dito por uma outra pessoa - é implicar acentos e padrões locais de discurso e não escrever coisas foneticamente. Por exemplo, se você tiver um personagem que fala pausadamente, basta indicar que ele fala pausadamente entre parênteses sob o nome do personagem (em roteiros) ou em algum ponto da passagem (em contos e romances). Não escreva: "Eu gox to de yo cex." Escreva "Eu gosto de vocês", disse ele em um forte sotaque carioca. Temos que ser capazes de compreender o que você está falando! Não se exceda tentando escrever a forma como uma pessoa soa. Você provavelmente só irá confundir o seu público.
  • Ouça em voz alta. Se você tem um grupo de atores à sua disposição, uma oficina de escritores em que você confia ou mesmo se você ficar no seu quarto e ler o seu próprio trabalho, ouça o diálogo em voz alta. Esteja você tentando ouvir o som natural ou fazer algum tipo de estilo, ouvir o diálogo será um bom indicador do quão bem o seu diálogo "funciona". Enquanto isto pode ser especialmente verdadeiro para escritores de roteiros, qualquer escritor que quer saber como o diálogo soa deve definitivamente ouvi-lo em voz alta.


Escrever diálogo é uma tarefa árdua. Ouvir o mundo à sua volta e pensar sobre o que seus personagens vão dizer antes que eles digam pode tornar tudo mais fácil. Além disso, não se esqueça, às vezes o silêncio pode ser ouro e a melhor coisa a fazer é renunciar ao diálogo e deixar um pouco de ação ou descrição dizer o que precisa ser dito.