Especial de Educação: Como ensinar crianças com incapacidades

Se você tem uma criança com necessidades especiais, uma palavra que você ouvirá muito sobre educação é “inclusão”. Este artigo lida com inclusão especificadamente aplicada ao sistema de educação dos EUA, como manda o Ato de Educação para Indivíduos com Incapacidades (IDEA) e a Seção 504 do Ato de Reabilitação de 1973. No entanto, os conceitos explicados aqui não são comuns para as escolas dos EUA, já que a inclusão é um conceito educacional que está começando a ser praticado ao redor do mundo.

Então o que é a inclusão e como isso afeta a educação das nossas crianças? O assunto é rodeado de incompreensões e controvérsias e é importante para ambos educadores e pais entenderem o conceito. Aqui está como entender a educação especial de inclusão.

  • Todos os estudantes são membros da comunidade. Inclusão se baseia na filosofia de que todos os estudantes, independente de incapacidades, são parte da cultura escolar. A crença é que um estudante que precisa de serviços especiais deve ter tais serviços trazidos a si, não ao contrário. Crianças com incapacidades devem receber a mesma educação que as sem tais incapacidades;
  • Estudantes com necessidades especiais são educados em seu ambiente menos restritivo (LRE). A maioria dos estudantes com necessidades especiais devem ser educados em uma sala de aula normal. Colocar a criança com necessidades especiais em programas e salas de aula de educação especial os coloca para fora da cultura escolar e cria divisão, medo e ignorância.
  • Estudantes com necessidades especiais não são devem necessariamente seguir os mesmos padrões que os outros estudantes. Eles participarão de atividades com o resto da sala porém deve ser dada consideração especial devido suas incapacidades. Por exemplo, um estudante que não pode falar não pode receber um trabalho oral quando os outros estudantes recebem, mas poderá fazer outro tipo de apresentação. Um estudante que tem dificuldade na escrita talvez por problemas de visão ou coordenação motora pode fazer um teste oral ou receber mais tempo para fazer um teste escrito.
  • Crianças com necessidades especiais são educadas dentro do Programa de Educação Individual (IEP). Este programa é um esforço em grupo dos pais, professores e outros funcionários (e se possível do estudante também). É criado para gerar o melhor ambiente educacional possível para o estudante em particular.
  • Inclusão não significa integrar. Integração se refere a colocar o estudante em aulas especiais e regulares ao mesmo tempo e inclusão é colocá-lo somente em aulas regulares. Integração também leva a expectativa de que o estudante alcançará os mesmos padrões do que os outros estudantes, enquanto inclusão cria um currículo apropriado para as habilidades individuais da criança.
  • No sistema educacional dos EUA, inclusão é uma lei de educação especial... mais ou menos. Ainda há um pouco de confusão sobre o quão longe uma escola pode ir para proporcionar um ambiente de inclusão. IDEA diz que as crianças com necessidades especiais devem ser educadas em salas de aula regulares a não ser que “a natureza e severidade da incapacidade seja tanta que a educação em salas de aula regulares com o uso de serviços e cuidados especiais não possam ser atingidos satisfatoriamente”. Portanto, pode ser necessário que os estudantes freqüentem outros programas de educação especial também.
  • Inclusão beneficia as crianças sem incapacidades também. Depois da implementação dos programas de inclusão, estudos mostraram melhoras para estudantes não deficientes, incluindo maior aceitação de pessoas diferentes deles próprios e um maior interesse no apoio dado aos incapacitados.


Entender as realidades do que é e o que não é a inclusão pode dispensar muitos dos mitos acerca do assunto e proporcionar para todos os estudantes ambientes educacionais melhores.