Como escrever uma carta de recomendação para uma faculdade de pós graduação

Professores e empregadores são frequentemente requisitados por alunos de pós graduação em potencial para escrever cartas de recomendação. Para muitos isto já se tornou algo comum e sem dificuldades. Mas se você está prestes a escrever sua primeira carta de recomendação para um de seus alunos que é candidato a um curso de mestrado, você deve considerar alguns pontos fundamentais para uma boa carta.

  1. Siga as orientações. Existem diferentes tipos de cartas de recomendação. Algumas requerem que você escreva tudo sozinho, enquanto outras exigem que você apenas marque algumas casas e faça algumas observações. Independente do tipo de carta que seu aluno pedir, não se esqueça de seguir as orientações incluídas. Isto também significa enviar a carta assim como solicitado - ao aluno ou para a escola, e concluír tudo até a data-limite. Seu aluno irá lhe dar bastante tempo para concluir a carta (assim esperamos) e fornecer todas as informações necessárias para escrever uma boa carta de recomendação para uma faculdade.
  2. peça um currículo, se necessário. Há sempre aqueles alunos ou empregados que conhecemos bem – aqueles na qual aconselhamos ou supervisionamos diariamente. Escrever uma carta para essas pessoas é simples - você conhece os fatos de cór. Mas, quando um aluno estudos há vários semestres atrás, ou quando um empregado recém contratado lhe pede uma recomendação, pode ser preciso fazer uma revisão. Não hesite em pedir ao aluno um currículo, uma lista de cursos ou uma lista de empregos mais detalhada. Isso permitirá que você escreva uma carta mais específica. Falando nisso ...
  3. Seja específico. Um comitê de admissões quer saber o que você acha do potencial do candidato, bem como sua última conquista. Ao falar de  pontos específicos que o candidato tenha conseguido, você não vai apenas ajudar o candidato a "parecer bom" de um modo concreto, você vai deixar claro para o comitê de admissões que conhece o candidato. Isto vai dar credibilidade ao seu parecer, o que uma carta genérica não daria.
  4. Seja conciso. Uma carta de recomendação não é necessariamente uma biografia completa do candidato. Tente manter a carta curta e direta, dizendo as especificidades que se relacionam com as habilidades do aluno, tanto como estudante como dentro da área de estudo. Evidentemente, também há espaço para coisas como elogiar o caráter e a ética de trabalho, que também são pertinentes e podem ser incluídas. No entanto, mantenha a carta com uma página a menos que exista alguma circunstância especial que precise ser explicada. Quanto mais curta, melhor.
  5. Seja positivo. Em geral, professores querem que seus alunos se saiam bem. Mesmo se não se sentir obrigado a dar a mais brilhante referência de um aluno, normalmente se diz "sim" porque, bem, é nosso trabalho ajudá-los e queremos dar assistência para que levem sua educação para o próximo nível. Se você for convidado a escrever uma carta de recomendação para quem não for o melhor aluno de todos os tempos, tente enfatizar elementos positivos de uma maneira honesta. A menos que especificamente solicitado, não há necessidade de dizer as negativas. É uma recomendação, não uma avaliação.