Como reconhecer o vício em cocaína

As estatísticas são uma coisa engraçada. Ao ouvir que 2,8 por cento dos americanos de idades entre 15 e 64 anos consomem cocaína, pode-se achar que o uso de cocaína é uma preocupação um pouco marginal. Ainda que metade do consumo de cocaína no mundo ocorra nos Estados Unidos - aproximadamente 300 toneladas por ano. Uma sensata estatística,

Fica mais sensata com o conhecimento do que a cocaína faz no corpo humano. Se aspirada, comida, injetada ou fumada, a cocaína é potencialmente mortal, e ninguém pode prever uma dose fatal. Aqui estão alguns perigos do vício não resolvido em longo prazo, e até mesmo dos usos de cocaína em curto prazo, em alguns casos.

  • Necrose do tecido nasal. Aspirar cocaína provoca constrição dos vasos sanguíneos; constrição severa significa que a o tecido está sendo privado de oxigênio, o que pode levar à morte celular.
  • Ansiedade
  • Arritmia, ataques cardíacos e derrames. Cocaína coloca um enorme fardo sobre o sistema cardiovascular, eleva dramaticamente a freqüência cardíaca do usuário. Mesmo recuperado, o toxicodependente enfrenta um risco de ataque cardíaco sete vezes maior do que uma pessoa normal. O risco de ataque cardíaco é substancialmente mais elevado nas horas após tomar uma dose de cocaína.
  • Insuficiência respiratória.
  • Insuficiência e danos nos rins
  • Infecção grave ou infecção por HIV / SIDA, por agulhas contaminadas.
  • Embolia circulatória pelos elementos insolúveis da cocaína injetada.
Alguns consideram cocaína como uma droga glamorosa. Os verdadeiros toxicodependentes não são sobrecarregados pelos delírios. Eles focam-se desesperadamente em como ter os próximos. Para cada americano, em 2.8 por cento, existem amigos, familiares, colegas e vizinhos que imaginam o que está acontecendo, e desejariam saber identificar o problema.
Falta de plano de saúde ou dinheiro suficiente, tragicamente, pode desencorajar as pessoas a procurarem a  desintoxicação. Mas existem opções até mesmo para aqueles com recursos extremamente limitados. Recomendamos The Complete Guide to Affordable&Drug Alcohol Rehab.

Aqui estão algumas maneiras de reconhecer o vício em cocaína.
  • Corrimento nasal constante. A cocaína pode levar à rinite, um termo comum para a inflamação das membranas nasais. Consequentemente, pessoas que cheiram cocaína muitas vezes tem um incontrolável corrimento nasal. Além disso, toxicodependentes frequentemente sofrem de hemorragias nasais ou até mesmo perda do olfato.
  • Flutuações acentuadas nos níveis humor e energia.  Quando alto por cocaína, um viciado experimenta um pico caracterizado por uma tendência hiperativa, euforia (como mencionado acima), inquietude e elevação da freqüência cardíaca. A cocaína produz estes efeitos em amplitude e duração variáveis, dependendo do quanto foi ingerido. Mas a cocaína, fisicamente, altera a capacidade do cérebro de registrar prazer por qualquer outro meio, progressivamente se vai aumentando as doses da droga. Inevitavelmente, a euforia dá lugar a uma depressão poderosa, caracterizada por irritabilidade, apatia e depressão.
  • Problemas no sono. O vício em cocaína pode levar a insônia ou sono excessivo.
  • Paranóia e psicose. O uso crônico da cocaína pode tornar o usuário paranóico, ansioso ou até mesmo com constantes alucinações e episódios psicóticos.
  • Problemas sexuais. Usuários de cocaína muitas vezes relatam aumento da libido, mas a cocaína também pode causar disfunção erétil e impotência.
  • Ranger de dentes. Há até um termo para o compulsivo ranger de dentes - "bruxismo". Esta é uma tendência nervosa comum em consequência do tabagismo e da cocaína.
  • Respiração ofegante. Quem fuma crack pode sofrer de falta de ar devido aos danos nos pulmões causados pela fumaça. Não importa como seja ingerida, a cocaína aumenta a freqüência cardíaca, a ponto de que, para manter o oxigênio suficiente através das veias, muitas vezes a pessoa sente falta de ar.
  • Variação de temperatura. Uso de cocaína compromete a capacidade de regular a temperatura corporal.
  • Perda de peso. A cocaína age como um inibidor do apetite, a tal ponto que alguns toxicodependentes, em última análise, sofrem de desnutrição.
  • Marcas de agulha. Um toxicodependente que injeta a droga por via intravenosa normalmente possui marcas de agulha visíveis no antebraço. Toxicodependentes recorrem ridiculamente a vestir camisas de mangas longas, mesmo nos dias quentes, em seus esforços para ocultar as provas do seu vício em cocaína.


Agora você sabe os efeitos da cocaína. Estas características observáveis não indicam necessariamente o vício em cocaína, mas onde várias das observações podem ser feitas, o vício em cocaína é uma possibilidade distinta. É importante entender os sinais do uso de drogas para que o viciado possa obter ajuda profissional. O tratamento bem sucedido é um processo individual, mas o primeiro passo é identificar o problema e incentivar o viciado a procurar ajuda.