Como dirigir um carro com câmbio manual (troca de marchas)

Uma vez, um treinador de tênis do Ensino Médio disse-me que jamais dirigiria um automóvel com câmbio automático. Sua razão? A alavanca de câmbio mantém a monotonia longe da direção. Pensei que ele estava fora de si, mas após anos crescendo acostumado a dirigir mudando as marchas do carro eu mesmo, descobri que pode haver alguma verdade em suas palavras. Quando dirijo os veículos automáticos de meus pais, acho-me sentindo falta dos controles manuais. Se você acabou de começar a aprender a dirigir um automóvel com câmbio manual, provavelmente você pensa que eu estou fora de mim. Espere alguns anos ... você verá.

  1. As diferenças do controle.
    • Esse terceiro pedal ... Com um automático, você nunca deve ter utilizado o seu pé esquerdo para nada. Uma das grandes diferenças entre transmissão manual e automática é o uso de sua perna esquerda para trabalhar a embreagem (o pedal mais à esquerda). A perna esquerda vai trabalhar!
    • Não há mudança de marcha sem a alavanca.Claro, outra grande diferença em seus controles é a alavanca. Você o perceberá em lugar do antigo dispositivo entediante em um automático (o que você utilizava principalmente só para trocar entre Ré, Estacionar e Dirigir). A alavanca tem Ré e Dirigir, também, mas aquele ajuste único para Dirigir, de  um automático, foi dividido em múltiplos ajustes, cada um destinado a dirigir em determinados intervalos de velocidade! No entanto, não há o ajuste para “Estacionar”, porque estacionar exige que você coloque seu carro em marcha Neutra, firme o freio de mão e pare o carro.
  2. As marchas.
    • 1 ªmarcha é principalmente para botar seu carro em movimento. Você só é capaz de acelerar em  1ª marcha até uns 10 ou 15 mph (milhas por hora). Então, você terá de passar para a 2ª marcha, que é muito versátil.
    • Você achará a 2ª marcha útil porque você pode dirigir nesta marcha virtualmente arrastando-se ou acelerar até uns 25 mph (milhas por hora); em um tráfego que anda-e-para, ande um pouco para frente de onde seu carro está, e então você pode usar a 2ª marcha para poupar seus freios.
    • As marchas altas. Gradualmente você memorizará os intervalos das velocidades de cada uma destas marchas altas; estas faixas diferem ligeiramente de um modelo de carro para outro. Quando dirigir na cidade, você vai usar principalmente a 3ª marcha. À medida que você entra em uma rodovia interestadual, você vai subir para sua marcha mais alta, e permanecer nesta marcha até que precisar diminuir ou parar.
  3. Iniciando o automóvel em 1ª marcha ou ré – a temida parada ! Para movimentar seu carro utilizando o pedal do acelerador, primeiro você precisa ter o seu carro em 1ª marcha ou em ré. E para você poder ter o carro sem se mexer em 1ª marcha ou em ré (ou qualquer marcha, para esse efeito), você deve pressionar o pé esquerdo sobre a embreagem. Agora vem a delicada arte de equilibrar o pedal do acelerados com a embreagem. Você tem que fazer pressão para baixo sobre o pedal d acelerador, ao mesmo tempo em que retira a pressão da embreagem. Soltar a embreagem muito depressa (com pouca aceleração) fará o carro “morrer”. (o motor para, e você tem que ligar novamente a chave na ignição). Soltar a embreagem muito devagar (com aceleração demais) vai causar uma aceleração barulhenta do seu motor desnecessariamente. Não se sinta desencorajado quando você deixa o carro morrer em primeira. Mesmo um motorista experiente de carros com câmbio manual deixa o carro morrer de vez em quando. E não se preocupe – quanto mais você praticar,  mais fácil e mais fluente será seu uso do pedal, até que seja como segunda natureza.
  4. Acelerando – mudando as marchas conforme as RPMs (rotações por minuto). Reparou aquele pequeno mostrador perto do velocímetro? Ele mede a sua RPM (rotações por minuto). Utilize-o como um guia sobre quando mudar a marcha, quer para cima ou para baixo.  Quando a RPM entra no 3º intervalo (ou seja, 3000 rotações), você deve subir uma marcha. Para elevar a marcha, simplesmente retire o pé do acelerador (mas mantenha-o encostado ao pedal), pressione seu pé esquerdo para baixo sobre a embreagem, e, enquanto esta estiver pressionada, mude a alavanca da marcha atual para a próxima mais alta, usando a mão direita. Depois de fazer a mudança, solte a embreagem enquanto simultaneamente pressiona seu pé direito com firmeza gradual sobre o acelerador. Você deve soltar a embreagem exatamente ao mesmo tempo em que pressiona o acelerador. Esta sincronização do movimento dos pés é provavelmente a única parte mais complicada (um pequeno truque!) de aprender a dirigir um carro com câmbio manual.
  5. Desacelerando – mudando para as marchas mais baixas. Em contrapartida, desacelerar é relativamente fácil. Você ainda tem que pressionar a embreagem para baixo quando você muda para marchas mais baixas (da mesma forma como se estivesse mudando para as mais altas), mas não é necessário a mesma coreografia ente a embreagem e o acelerador para desacelerar. Na verdade, a mudança para as marchas mais lentas desacelera naturalmente o seu carro; as pessoas muitas vezes economizam o freio diminuindo a marcha, o que irá provocar uma breve nas RPMs e desacelerar seu carro. Geralmente, se suas RPMs estão abaixo da marca 2, você deve diminuir a marcha para manter o seu carro manobrável e respondendo bem ao seu controle.
  6. Parando. Você pode parar no Ponto Morto (para manter o seu pé a embreagem) ou parar em qualquer marcha com o seu pé esquerdo pressionando a embreagem. Pode mudar diretamente para o ponto morto, de qualquer outra marcha. Mas se você está na estrada e precisar parar em um refúgio, por exemplo, não precisa se incomodar mudando marchas e tudo isso. Basta bater com os pés sobre a embreagem e o freio. Quando começar a se movimentar novamente, certifique-se de colocar a 1ª marcha e mover-se como de costume.
  7. Ponto Morto – o preguiçoso amigo do homem. Neutra permite a você descer morros sem usar o a embreagem. Você pode frear livremente, naturalmente, e descansar a perna esquerda desse jeito, mas você terá que colocar a marcha correta, a fim de realmente fazer o acelerador funcionar. Por essa razão, alguns consideram que andar em ponto morto para ser a receita preguiçosa para um acidente. Eu adoro, no entanto ...
  8. Hill – soa como inferno (por um motivo). Quando começar a aprender a dirigir um carro de câmbio manual, não faça em qualquer tipo de uma colina. Encontrar o chão mais plano possível quando der início à aprendizagem! As montanhas aumentam e muito a apreensão de um principiante, porque muito provavelmente irá marcar a primeira vez que você, como um condutor, sentirá qualquer tipo de “escorregamento” ao ligar o seu carro. Inevitavelmente, há um pequeno atraso entre quando você solta o freio e seu carro registra o acelerador enquanto você simultaneamente libera a embreagem. Durante essa defasagem entre frear e mover-se, não só você tem a  ansiedade de novato de não deixar o carro morrer, como você tem a ansiedade adicional de sentir o carro escorregar para trás e para baixo do morro, enquanto tenta fazê-lo ir para frente. Quando você se sentir mais à vontade controlando os pedais da embreagem, do freio e do acelerador sem nenhum problema, poderá dominar a direção em terrenos acidentados também.
Uma última razão pela qual os carros de câmbio manual mantêm a direção interessante: você começa a conhecer um carro em um nível muito mais íntimo quando você dirige estes carros. Você verá que todos os carros são um pouco diferentes, cada um tem a sua própria disposição e peculiaridades. Além do mais, em alguns locais do mundo a transmissão manual pode ser sua única opção, assim os viajantes bem poderiam tirar um tempo agora para aprender. Com alguma prática (começando em estacionamentos vazios e ruas planas e sem movimento), os aspectos ameaçadores do câmbio manual desaparecerão e você chegará a compartilhar as crenças abraçadas pelo antigo treinador de tênis. E então as pessoas vão pensar que você está louco ...