Como tratar um acidente vascular cerebral (AVC) canino

O acidente vascular cerebral (AVC), embora seja raro em cães, ocorre quando o fluxo sanguíneo para o cérebro é interrompido devido a uma artéria bloqueada ou a uma hemorragia. Se você se interessa por saber mais sobre outros problemas de saúde dos cães, como diagnosticá-los e tratá-los, eu recomendo fortemente a você que obtenha um exemplar do livro Veterinary Secrets Revealed 2.0. Este livro lhe dará um bom entendimento básico de como cuidar de seu cão em casa, e como reconhecer quando um problema de saúde é sério o suficiente para requerer cuidados veterinários imediatos.

Existem dois tipos de acidente vascular cerebral canino.

  • Acidente vascular cerebral isquêmico - falta de fluxo sanguíneo para o cérebro, devido a uma artéria bloqueada. Esses acidentes vasculares cerebrais podem ser vinculados às seguintes condições:
    • Doença renal
    • Doença cardíaca
    • Doença de Cushing
    • Diabetes
    • Hipertensão
    • Obstrução devido a um fragmento de um tumor, cartilagem espinal, parasitas ou gordura
    • Glândula tireóide hipoativa ou hiperativa
  • Acidente vascular cerebral hemorrágico – o fluxo sanguíneo adequado para o cérebro é interrompido por hemorragia no cérebro. Estes episódios podem ser ocasionados pelas seguintes condições:
    • Novamente doenças nos rins, coração, na tireóide ou Doença de Cushing, porque  podem levar a pressão arterial elevada.
    • Um certo tipo de verme que se aloja no pulmão, chamado angiostrongilose
    • Venenos para roedores
    • Inflamação arterial
    • Trombocitopenia imune-mediada
    • Tumor cerebral
    • Desenvolvimento atípico de vasos sanguíneos no cérebro
    •  Traumatismo craniano

Os sintomas que indicam o acidente vascular cerebral canino não são exclusivas para esta condição médica, o que pode complicar o diagnóstico. Os seguintes sintomas são comuns em acidentes vasculares cerebrais caninos.
  1. Inclinação da cabeça.
  2. Virar-se para o lado errado quando chamado.
  3. Comer fora de um lado prato de comida.
  4. Cegueira.
  5. Perda de equilíbrio.
  6. Letargia.
  7. Perda de controle da bexiga e do intestino.
  8. Brusca mudança de comportamento.
Se o dono de um cão suspeitar que seu cachorro teve um acidente vascular cerebral, um veterinário deve fazer um exame conclusivo do animal. O veterinário fará o diagnóstico:
  1. Realizando um exame físico, estudando cuidadosamente os sintomas que se apresentam.
  2. Realizando uma RM (ressonância magnética) ou TC (tomografia computadorizada). O cão deve ser anestesiado, para que se possa realizar o trabalho de diagnóstico por RM ou TC.
A maioria dos exames diagnósticos é utilizada para excluir outras possibilidades como a causa dos sintomas. O veterinário irá ajudá-lo a determinar a causa de acidente vascular cerebral, após confirmar que o cachorro teve um AVC.

O tratamento do acidente vascular cerebral canino começa com a identificação da sua causa básica, e o tratamento da mesma para impedir que venha a causar outros acidentes vasculares cerebrais no futuro. Não existe uma maneira de reparar os danos infligidos por um acidente vascular cerebral canino, mas o AVC não é tão debilitante para os cães quanto pode ser para as pessoas. Com os cuidados adequados, a maioria dos cães recupera-se em algumas semanas. Esta recuperação vai depender da gravidade do acidente vascular cerebral do cachorro e de quanto dano foi feito, mas o potencial de recuperação é uma boa notícia para o dono do cão. Com tempo e paciência, o cão geralmente recupera a maioria das suas funções motoras e de movimento. Mas, seu comportamento pode ser ligeiramente alterado em relação ao que era antes do acidente vascular cerebral, o que pode ser algo que o dono do cão simplesmente terá que aprender a aceitar. Seja qual for o caso, os cães geralmente sobrevivem a um derrame.

Dicas adicionais: qualquer que seja a idade de seu cão, um passeio a áreas onde outros cães costumam ir passear pode ajudar a socializar e exercitar o seu amigo.